prevenção a ISTs

O prazer sexual é uma necessidade humana e traz diversos benefícios ao corpo e à mente. Está comprovado: sexo faz bem para o seu humor, circulação sanguínea, melhora do sono, longevidade e por aí vai uma lista gigantesca de benefícios.

Porém, a prática de sexo sem proteção pode acarretar em diferentes ISTs (Infecções sexualmente transmissíveis), principalmente, quando se tem mais de um parceiro sexual. Por isso, para sua saúde sexual e sucesso na carreira como acompanhante, o uso de preservativo e outros métodos preventivos são indispensáveis.

Você quer saber quais são esses métodos e como eles podem ajudar você a evitar uma ITS? Então, leia este post que preparei para você e descubra como cuidar ainda mais de sua saúde sexual.

O Que São ISTs? 

As ISTs são doenças que podem ser causadas por vírus, bactérias, fungos ou protozoários e transmitidas, principalmente, através do sexo sem proteção, seja pela troca de fluídos ou contato com lesões existentes.

Há diferentes tipos de ISTs: curáveis, não curáveis, com sintomas graves e outras assintomáticas. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), diariamente, em todo o mundo, são registrados milhões de casos de pessoas que contraíram algum tipo de Infecção sexualmente transmissível.

Entre elas, milhões correspondem à infecção por HIV (vírus da imunodeficiência humana), vírus que ataca o sistema imunológico, podendo causar AIDS.

Mas, afinal, existe diferença entre IST e DST?

Na verdade, as duas siglas funcionam como sinônimos. IST se refere a Infecções Sexualmente Transmissíveis, enquanto DST a Doenças Sexualmente Transmissíveis. O que acontece é que, atualmente, a terminologia IST passou a ser utilizada no lugar de DST. Isso acontece porque IST engloba a possibilidade de a pessoa ter e transmitir uma infecção mesmo sem apresentar sinais ou sintomas de doença.

Como Acontece a Transmissão?

As ISTs, como eu já disse, podem ser transmitidas, principalmente, por meio do sexo sem proteção, seja pela troca de fluídos ou contato com lesões existentes. Existem casos, no entanto, em que elas também podem ser transmitidas pela troca de objetos cortantes (agulhas, seringas, aparelhos de depilação) ou em contato direto com o sangue da pessoa infectada.

É muito importante ressaltar que todas as práticas sexuais que envolvem o contato com os órgãos genitais são passíveis de transmissão, seja o sexo oral, anal, vaginal etc. Por essa razão, é fundamental que o preservativo seja sempre utilizado – até mesmo para o sexo oral.

Algumas Formas de Prevenir as ISTs

  1. Use camisinha: em nenhuma hipótese aceite fazer sexo sem proteção. Muitas doenças não apresentam sintomas e, mesmo que você seja acompanhante de luxo e atenda somente clientes com muito dinheiro, classe social não é sinônimo de saúde sexual (seu cliente pode ter contraído uma IST e não saber).
  2. Faça exames regularmente: cultive o hábito de ir ao médico especialista, ginecologista e urologista, e solicitar os exames regulares para ISTs. O aconselhado é realizar os exames uma vez a cada três meses, caso não sinta nenhum comportamento estranho em seu corpo – ao sinal de qualquer sintoma, corra para o médico. Leia mais sobre as IST clicando aqui.
  3. Evite compartilhar objetos de uso pessoal: objetos como seringas, alicates de unha e lâminas de barbear, por exemplo, podem ser transmissores de ISTs. Por isso, ao ir à manicure,  tatuador ou, ainda, à barbearia, exija sempre materiais esterilizados e evite compartilhar seus objetos de uso pessoal com outras pessoas.  
  4. Procure fazer as vacinas disponíveis: até o momento, existem duas vacinas que protegem contra determinadas ISTs: a vacina contra o HPV e a vacina contra a Hepatite B. Quanto à vacina do HPV, o SUS a disponibiliza para meninas de 9 a 14 anos, meninos de 11 a 14 anos, mulheres imunossuprimidas de 9 a 45 anos e homens imunossuprimidos de 9 a 26 anos. Já a vacina contra a Hepatite B é obrigatória, conforme o Ministério da Saúde. Ela é liberada para todas as pessoas; inclusive para bebês recém-nascidos.
  5. PrEP (Profilaxia Pré-Exposição): é um método de prevenção contra o vírus do HIV, indicado, principalmente, às pessoas que apresentam maiores chances de ter contato com a doença, como profissionais do sexo. Esse método consiste no uso diário de um comprimido que impede que o vírus causador da AIDS (HIV) se espalhe pelo organismo. Isso acontece porque o medicamento ‘bloqueia’ as vias usadas pelo vírus para infectar o corpo. Se você se interessou pelo uso da PrEP, saiba que o medicamento leva um tempo para começar a fazer efeito: 7 dias de uso para sexo anal e 20 dias de uso para sexo vaginal.  Além disso, seu efeito só é eficaz se você utilizar os comprimidos, religiosamente, todos os dias, do contrário, não haverá concentração suficiente do medicamento em sua corrente sanguínea para ‘bloquear’ o vírus. 

Quais as ISTs Mais Comuns?

  • Hepatite viral: causada por um vírus, a hepatite afeta o fígado dos pacientes. Se descoberta muito tarde, pode provocar cirrose e até câncer.
  • Gonorreia: transmitida por uma bactéria, a gonorreia costuma causar dor ao urinar, corrimento amarelado e, em alguns casos, sangramento. O tratamento também deve ser realizado com o uso de antibiótico.
  • HPV: essa é uma infecção causada por vírus, que geralmente é manifestada por meio de lesões (como verrugas) nos órgãos genitais. Uma vez contraído, o HPV não tem cura, mas existem tratamentos à base de pomada para amenizar as feridas quando elas aparecem.
  • Herpes: a herpes também é transmitida por vírus e é bastante alto o risco de contaminação. Ela causa pequenas bolhas vermelhas na pele (regiões intimas, coxas e anus), que provocam muita coceira. Quando estouram, elas liberam um líquido altamente contagiante. A infecção também não tem cura, mas há remédios que diminuem o desconforto.
  • Sífilis: essa doença causa manchas vermelhas nas mãos e pés que não causam dor nem sangramento. Ela também pode causar cegueira, paralisia e problemas cardíacos. Porém, existe tratamento que pode trazer chances de cura.
  • HIV: provocada por um vírus, a AIDS é uma das infecções sexualmente transmissíveis que não tem cura. Ela afeta o sistema imunológico da pessoa, tornando mais fácil o contágio de outras doenças. Existem medicamentos que devem ser administrados para o fortalecimento da imunidade do paciente.

Lembre-se: todas essas infecções podem ser evitadas com o simples uso do preservativo. Cuide-se!

5 COMENTÁRIOS

    • Olá, Bélit!

      Aqui no Fatal Blog você encontra vários textos sobre a temática de Prevenção a ISTs e muitos outros assunto. Fique ligada, pois semanalmente atualizamos o blog. 🙂

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui